2016,01 Edição / Edition / Li Yu, 1975
Renato Ferrão

€30.00

Li Yu, 1975<br> Renato Ferrão
Li Yu, 1975<br> Renato Ferrão
Li Yu, 1975<br> Renato Ferrão

Categoria: Edição
Título: Li Yu, 1975
Autor: Renato Ferrão
Dimensões: 65 x 46 cm
Características: Serigrafia sobre papel livre de ácido Conqueror 100% algodão 300grs
Edição: Limitada de 15 + 3 PA (azul) e 15 + 3 PA (verde), numerados e assinados
Preço: €30.00

Na sequência da sua exposição “Cascatas e desabamentos”, Renato Ferrão revisita as origens das peças apresentadas, um diorama que decorava, desde os anos de 1970, um restaurante chinês, no Porto. Adquirido ao senhor Li Yu, este objecto foi desmontado pelo artista, de modo a reproduzir o seu mecanismo nos trabalhos então revelados no Sismógrafo (Abril, 2015). O padrão que está na origem da ilusão do movimento da queda-d’água é agora mudado numa serigrafia em que essa ideia de uma paisagem em perpétua agitação é contrariada pela imobilidade de uma imagem fixada sobre papel. Esta edição fez parte da campanha Amigos do Sismógrafo 2016.

Renato Ferrão (Vila Nova de Famalicão, 1975) vive e trabalha no Porto. Em 2000, licenciou-se em Escultura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto. Co-fundou o espaço Salão Olímpico – espaço independente, gerido e programado por artistas, em actividade no Porto entre 2003 e 2006. Em 2010 foi-lhe atribuído o Prémio de Artes Plásticas União Latina. Realizou numerosas exposições individuais, nomeadamente: Imóvel (colaboração com Nuno Ramalho), Salão Olímpico, Porto (2004); No Future (colaboração com Nuno Ramalho), Galeria 24B, Oeiras (2005); Impreciso (colaboração com Nuno Ramalho), In Transit, Porto (2007); 17.38’ 51”, Projecto Apêndice, Porto (2007); A C ack of ence, A Certain Lack of Coherence, Porto (2008); Estúdio (colaboração com Nuno Ramalho), Fundação Carmona e Costa, Lisboa (2009); Episódio 2: Senhor fantasma, vamos falar, Emissores Reunidos – Fundação de Serralves, Porto (2009); Vida material, Galeria Quadrado Azul, Lisboa (2010); Peça sonâmbula, Espaço Campanhã, Porto (2011); Peças de substituição, Chiado 8 – Arte contemporânea, Lisboa (2012). Participou em diversas exposições coletivas, entre as quais: The stars turn into stripes forever (com Eduardo Matos), Salão Olímpico, Porto (2003); Correi lágrimas minhas, disse o polícia, Galeria ZDB, Lisboa (2004); Em fractura, Fundição de Oeiras, Hangar K7, Oeiras (2005); Busca Pólos, Pavilhão Centro de Portugal, Coimbra (2006); Em torno (colaboração com Nuno Ramalho), Palácio de Cristal, Porto (2006); Rastos, Galeria Quadrado Azul, Porto (2007); Depósito: Anotações sobre Densidade e Conhecimento, Reitoria da Universidade do Porto, Porto (2007); part-ilha, Spike Island, Bristol (2008); A situação está tensa mas sob controlo, Arte Contempo, Lisboa (2008); A nossa língua não cura, Espaço Avenida 211, Lisboa (2009); Antes de chegarem palavras, Espaço Campanhã, Porto (2009); Lei de OHM, Museu da Electricidade, Lisboa (2014); Sem Quartel / Without Mercy, Sismógrafo, Porto (2014) e A Boca do Inferno, Sismógrafo, Porto (2014).

Category: Edition
Title: Li Yu, 1975
Author: Renato Ferrão
Dimensions: 65 x 46 cm
Media: Silkscreen on acid free paper Conqueror 100% cotton 300grs
Edition: Limited to 15 copies + 3 PA (blue) and 15 copies + 3 PA (green), numbered and signed
Price: €30.00

Following his exhibition "Cascades and Collapses", Renato Ferrão revisits the origins of the pieces then presented, a diorama that decorated since the 1970s, a Chinese restaurant in Porto. Acquired to Mr. Li Yu, this object was dismantled by the artist, in order to be able to reproduce the mechanism in the works revealed at Sismógrafo (April, 2015). The pattern that is in the origin of the illusion of movement of the waterfall is now changed in a silkscreen print in which the idea of ​​a landscape in perpetual agitation is contradicted by the immobility of an image fixed on paper. This edition was part of the campaign Friends of Sismógrafo 2016.

Renato Ferrão (Vila Nova de Famalicão, Portugal, 1975) lives and works Porto. In 2000, he graduated in Sculpture from Faculdade de Belas- -Artes – University of Porto. He co- -founded Salão olímpico – an artist-run independent space, active in Porto from 2003 to 2006. In 2010 he was awarded the prize Prémio de Artes Plásticas União Latina. Renato Ferrão held numerous solo exhibitions, namely: Imóvel (collaboration with nuno Ramalho), Salão olímpico, Porto (2004); No Future (collaboration with nuno Ramalho), Galeria 24B, oeiras (2005); Impreciso (collaboration with nuno Ramalho), In Transit, Porto (2007); 17.38’ 51”, Projecto Apêndice, Porto (2007); A C ack of ence, A Certain Lack of Coherence, Porto (2008); Estúdio (collaboration with nuno Ramalho), Fundação Carmona e Costa, Lisbon (2009); Episódio 2: Senhor fantasma, vamos falar, Emissores Reunidos – Fundação de Serralves, Porto (2009); Vida material, Galeria Quadrado Azul, Lisbon (2010); Peça sonâmbula, Espaço Campanhã, Porto (2011); Peças de substituição, Chiado 8 – Arte contemporânea, Lisbon (2012). His work has been featured in many colective exhibitions, including: The stars turn into stripes forever (with Eduardo Matos), Salão olímpico, Porto (2003); Correi lágrimas minhas, disse o polícia, Galeria ZDB, Lisboa (2004); Em fractura, Fundição de oeiras, Hangar K7, oeiras (2005); Busca Pólos, Pavilhão Centro de Portugal, Coimbra (2006); Em torno (collaboration with nuno Ramalho), Palácio de Cristal, Porto (2006); Rastos, Galeria Quadrado Azul, Porto (2007); Depósito: Anotações sobre Densidade e Conhecimento, Reitoria da Universidade do Porto, Porto (2007); part-ilha, Spike Island, Bristol (2008); A situação está tensa mas sob controlo, Arte Contempo, Lisbon (2008); A nossa língua não cura, Espaço Avenida 211, Lisbon (2009); Antes de chegarem palavras, Espaço Campanhã, Porto (2009); Lei de OHM, Museu da Electricidade, Lisbon (2014); Sem Quartel / Without Mercy, Sismógrafo, Porto (2014) e A Boca do Inferno, Sismógrafo, Porto (2014).

previousnext
Envio / Shipping